TÍTULO: Seis anos da TASJ em perspectiva

Autor(s): santos, b.j.

EDITORIAL: Seis anos após o lançamento da primeira edição da “The Academic Society Journal” (TASJ) [1, 2] ainda estamos aqui persistentemente divulgando a ciência de acesso totalmente livre em um país (ou seria o mundo?) cada vez mais anticientífico [3]. É uma obra de resiliência com vinte e duas edições (até junho/2022) de lágrimas, suor e sorrisos.

 

Em 2012, três pesquisadores se reuniram no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia São Paulo campus São Paulo (IFSP SPO) para fundar a “The Academic Society” (TAS), com a motivação e esforço contínuo na divulgação científica e acadêmica [4]. Muito trabalho foi feito para que a semente de 2012 pudesse germinar e muito mais trabalho ainda para que pudesse florescer, apesar disso, maior foi a vontade de partilhar a evolução do conhecimento e ainda maior foi o prazer de fazer isso entre amigos, que nunca parou de aumentar [5].

 

A TASJ nasceu do sonho e determinação de três das pessoas mais fantásticas que tive o prazer de dividir um planeta e uma época diante de toda a vastidão do tempo e da imensidão do universo durante a minha curtíssima aglutinação de poeiras de estrela que eu chamo de “Eu” no “Pálido Ponto Azul”: Prof. Eduardo Bock, Prof. Tarcisio Leão e Prof. Evandro Drigo.

 

A TASJ começou a ser publicada digitalmente em 2017, com o ideal de acesso livre a ciência para pesquisadores e a população em geral, sendo uma forma de resistência contra “Os Dragões do Éden” das revistas predatórias e a difusão em massa de fake news [6, 7].

 

Ao longo dos anos, a TASJ contou com o esforço hercúleo de uma sucessão de editores-chefes para manter a vela acessa em um “mundo assombrado pelos demônios”, sendo em ordem cronológica: Eduardo Bock, Mariana Hernandes, Adriana DelMonaco, Tarcisio Leão e Bruno Santos. Além de contar com a ajuda voluntária de revisores extremamente qualificados: Breno Nishida, Daniel Ponce, Dennis Toufen, Evandro Drigo, Guilherme Barbosa, Isac Fujita, Silvina Ramos, Sergio Araki, Wilhelm Pfleging e tantos outros que ajudaram.

 

Inicialmente, o corpo editorial da TASJ era constituído principalmente por pesquisadores que em algum momento desenvolveram as suas competências no IFSP SPO [8], mas felizmente ela não se limitou e cada vez mais os ramos se espalharam pelo “Cosmos” [9-12], principalmente pela integração da TASJ com o Congresso de Engenharia e Ciências Aplicadas nas Três Fronteiras (MEC3F), sendo esse um evento muito especial e edificante dentro do espectro científico da América Latina [13-16]. Nesse meio tempo, houve o processo de indexação da revista em bases de periódicos [17], a atualização do site [18], a disseminação quase simultânea de temas em plena ascensão tecnológicas [19] e a realização de curso de edição e revisão de periódicos [20].

A revista TASJ conta com mais de 130 artigos publicados em edições trimestrais desde 2017 e concentradas em publicações sobre Elétrica, Computação, Mecânica e Materiais.

 

Na área de Bioengenharia [21], muitos trabalhos foram publicados dentro do contexto de tratamento de doenças cardiovasculares, com: (i) dispositivos de assistência ventricular [22-35]; (ii) técnicas de cateterismo [36-40]; (iii) marca-passo [41]; e (iv) monitoramento do eletrocardiograma (ECG) [42-43].

 

Na área de Tecnologias Assistivas [44], uma série de trabalhos foram publicados sobre o estudo de: (i) biomateriais para próteses [45-51]; (ii) controle de sistemas de reabilitação [52] e exoesqueleto [53, 54]; e (iii) implementação baseado em tecnologias revolucionárias como impressora 3D [55] e robôs moles [56].

 

Ainda em aplicações na área de Saúde, as publicações incluem a pesquisa de: (i) robô cirúrgico [57]; (ii) interações medicamentosas [58-61]; (iii) monitoramento de sinais vitais alterados [62, 64]; e (iv) cuidados contra a COVID-19 [65-69].

 

Na área de Sustentabilidade, há trabalhos publicado sobre: (i) os impactos ambientais causados pela poluição [70-74]; (ii) estratégias para medição de poluentes [75-77]; e (iii) alternativas de tratamento [78-81] e reaproveitamento [82-85].

 

Em aplicações Industriais, há publicações no contexto de: (i) ferramentas de produtividade [86-91]; (ii) melhorias de processos [92-101]; (iii) manutenção [102-104]; (iv) controle e automação [105-110]; e (v) Revolução 4.0 [111-115].

 

Por fim, há publicações de aplicações de: (i) melhorias técnicas no contexto de Ensino Educacional [116-121] e aplicado em competições [122-124]; (ii) veículos não tripulados [125-127] e autônomos [128]; (iii) Internet das coisas [129-131]; (iv) simulações numéricas computacionais [132-139]; e (v) instrumentação de física [140-142].

Do nascimento ao “Bilhões e Bilhões”, a TASJ tem como princípio a construção e defensa dos direitos integrais a equidade social e de gêneros, visando isso, no mês das Mulheres (março de 2022) as alunas de iniciação científica do laboratório de Bioengenharia e Biomateriais (BIOENG) do IFSP SPO foram convidadas para publicar os seus respectivos editoriais [143-145] como forma de homenagear as suas trajetórias de superações pessoais e principalmente como um grito definitivo de afirmação que não serão mais tolerados atos misóginos e preconceituosos neste único mundo conhecido, até hoje, que abriga vida e sem indícios de que vá chegar ajuda de outro lugar para nos salvar de nós próprios, portanto, não devemos deixar que novamente o conhecimento que pertence a todos nós sejam deturpados/roubados/destruídos por “mitos” da ignorância, violência e ganância.

 

Estamos felizes e honrados em convidá-los: juntem-se a nós nessa jornada! As nossas portas estarão sempre abertas!

 

 

“Em algum lugar, algo incrível está esperando para ser descoberto”

 

Carl Sagan

CITAÇÃO: Santos, B.J. Editorial: Seis anos da TASJ em perspectiva. The Academic Society Journal, 6(2) 63-77, 2022. DOI: doi.org/10.32640/tasj.2022.2.63.